× ENTRAR CADASTRE-SE

Por Evelyn Gomes

No agronegócio assim como em qualquer ramo de atividade comercial realizar uma boa gestão do negócio é um grande indicador de sucesso e perenidade alinhado a boa prestação de serviço e ou atendimento além de um produto de qualidade. Recentemente, aqui no blog da CBC Agronegócios, falamos sobre a importância da contabilidade rural e explicamos as etapas principais para realizá-la.

Se a contabilidade rural é um demonstrativo de resultados para se chegar até eles são necessários as negociações e vendas que são impossibilitadas sem a compra de insumos, o processo de plantio e colheita que envolvem diferentes tipos de gastos, o que impactam na formação do preço e consequentemente na lucratividade do produtor. E, os principais motivos para realizar o gerenciamento de custos são compreender quais são essas despesas, classificar o grau de importância delas, minimizar os custos desde que não afetem o processo produtivo nem a qualidade e mitigar os desperdícios e assim melhorar o fluxo de caixa.

No entanto, a formação do custo não está apenas ligada a compra de matéria-prima consideradas fatores de produção diretos, ela também está relacionada aos fatores indiretos como mão-de-obra, apuração de impostos e até mesmo água e energia elétrica, apenas para citarmos alguns. E, para iniciar esse processo precisamos realizar o controle e apuração dessas informações que podem ser feitas manualmente, formatas em planilhas ou até mesmo automatizadas por sistemas de gestão.

Com esses dados em mãos conseguimos estabelecer o Custo de Mercadoria Vendida (CMV) através de sistemas de custeios que utilizam diferentes métodos de apuração divididos por sua vez em: custo contábil e gerencial.

Custo Contábil:  Se baseia nas transações financeiras da empresa para aquisição de insumos e, a partir delas elabora relatórios sobre a destinação das verbas bem como a sua utilização. E para se fazer o controle e apuração delas é possível utilizar os três métodos abaixo:

  • PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que sai): como o nome sugere esse sistema busca o custo do lote mais antigo na hora da venda até que o estoque seja esgotado, depois disso busca o segundo mais antigo, o terceiro e assim por diante;
  • UEPS (Último a entrar, primeiro a sair): diferentemente do anterior essa estratégia de controle busca o custo do lote mais recente na hora venda até que seu estoque se esgote;
  • Preço Médio Ponderado: denominado também de custo médio, essa técnica leva em consideração a média dos custos e não o valor efetivo dele para cálculo que também pode ser realizado por meio da seguinte equação, o total financeiro obtido através do valor de cada item presente no estoque dividido pelo número de mercadorias armazenadas.

Custo Gerencial:  a formação dele é muito mais complexa porque além de se basear no custo contábil, ele adiciona todos os valores financeiros envolvidos para a aquisição desses insumos como impostos, despesas operacionais, administrativas e outras. Os relatórios desse método contêm informações como período, taxas e os critérios das informações para serem usados como fonte de estudos, filtrados da seguinte maneira:

  • Reposição: o valor da última compra é a base da análise de custo do insumo bem como o resultado das operações de venda;
  • Financeiro: ele indica os abatimentos financeiros de estoque, cartas de crédito negociadas com fornecedores, custos diretos sem destaque fiscal como carga e descarga além dos custos adicionais por manter a mercadoria parada no estoque;
  • Projetado: nesse caso a apuração dos custos assim como a compra dos insumos é realizada após a venda, dando margem para bons lucros e até mesmo prejuízos;

Como salientamos no início a gestão desses custos é de suma importância para o sucesso do negócio, bem como o registro de todas as informações que além de servirem de fonte de dados de informação que ainda podem garantir a previsibilidade na requisição desses insumos e negociações entre fornecedores e compradores que inclusive podem ser feitas pela plataforma da CBC Agronegócios.

Contem para a gente, como vocês fazem a formação de custo de vocês?