× ENTRAR CADASTRE-SE

Por Evelyn Gomes

Nós da CBC Agronegócios sabemos a quão complicada pode ser equilibrar os fluxos de caixa de uma propriedade diante das adversidades que existem sejam elas meteorológicas, pragas, prazos, custos elevados como os de transporte e ainda todos os custos que envolvem a produção, independente das motivações, muitas vezes se faz necessária a tomada de crédito. Inclusive já explicamos aqui no blog quais são as modalidades de crédito e como ter acesso a eles.

E, hoje especificamente vamos tratar sobre o Plano Safra que foi criado em 2003 com o intuito de fomentar a produção rural nacional, desde então todos os anos o governo federal realiza destinação de verbas para investimento, custeio, industrialização e/ou comercialização de produtos agrícolas. A vigência do Plano Safra é anual, tendo início sempre em 1 de julho até junho do ano seguindo para que ele possa estar sincronizado com o calendário de safras.

O programa compreende várias políticas públicas cuja atenção especial está direcionada à agricultura familiar e às cooperativas, destinando recursos para pequenos e médios produtores se profissionalizem a partir de bases sustentáveis. O Plano Safra que é considerado como o maior incentivo financeiro para o setor a nível nacional na edição 2022/2023 viabilizou através do Governo Federal o montante de R$ 340,88 bilhões, uma cifra 36% maior do que o ano anterior.

As linhas de crédito do Plano Safra estão distribuídas por diversos programas, entre eles, estão o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) recebendo aportes de R$ 53,61 bilhões com juros de 5% a 6% ao ano e o Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural) que recebeu R$ 43,75 bilhões com juros de 8% ao ano enquanto demais programas para produtores e cooperativas podem financiar até R$ 243,5 bilhões com juros de até 12% ano ou taxas livres.

Esses programas também apresentam subdivisões e o enquadramento em cada uma delas dependem de fatores como: atividade exercida pelo produtor rural, renda anual e o tamanho da propriedade. Os créditos de custeio e comercialização são englobados por:

  • Pronaf Custeio;
  • Pronaf Custeio Agroindústria;
  • Pronaf Custeio;

Os créditos de investimento são orientados a irrigação, compras de veículos e modernização de unidades agroindustriais englobando:

  • Pronaf Investimento (Mais Alimentos) e Pronaf Mulher;
  • Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO);
  • Pronaf Agroindústria;
  • Pronaf Jovem;
  • Pronaf B;
  • Pronaf ABC+ Agroecologia;
  • Pronaf ABC+ Bioeconomia;

Há ainda linhas específicas destinadas a modernização como é a Inovagro que financia a automação; Moderagro para quem deseja investir em benfeitorias relacionadas a construção e ampliação além da vacinação e rastreabilidade animal; Moderfrota é para atender a necessidade de atualização em maquinários agrícolas, sejam eles tratores, colheitadeiras e/ou pulverizadores.

Programa de Construção de Armazéns (PCA) como o nome indica essa linha está direcionada a construção e a reforma de armazéns; Procap Agro Giro esse é um programa de capitalização de cooperativas agropecuárias financiando o capital de giro delas; Proirriga é uma boa opção para quem necessita melhorar a estrutura da propriedade sobretudo com sistemas de irrigação sustentável além da recuperação e instalação de equipamento destinados para a proteção de alguns cultivos; Prodecoop por sua vez financia a modernização dos complexos agroindustriais, dos sistemas produtivos e de comercialização de mercadorias agrícolas.

Contem para a gente o que acham dessas linhas de crédito? Já utilizaram alguma delas?