× ENTRAR CADASTRE-SE

Por Evelyn Gomes

Durante os últimos meses falamos sobre a importância econômica do agronegócio, os desafios nos campos da produção, distribuição e até na gestão de empresas do setor. Porém o agronegócio tem ganhado cada vez mais destaque como produto de investimento, sejam eles em renda fixa ou renda variável com papéis acessíveis até mesmo para o pequeno investidor.

Para investidores que apresentam perfis considerados mais conservadores e moderados, os investimentos indicados por especialistas são em renda fixa, e dentro da gama de produtos no mercado existem os LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio), os CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio), FIDCs (Fundos de Investimento em Direito Creditório) e FIPs (Fundos de Investimentos em Participações). E como diferenciar cada um?

  • LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio): são títulos de renda fixa emitidos por instituições financeiras que são garantidas, ou seja, lastreadas por empréstimos cujos objetivos sejam o desenvolvimento do setor como financiamento da produção, beneficiamento e até mesmo a industrialização de produtos agrícolas. Uma das vantagens em se investir nesse tipo de ativo é que eles rendem uma fração do CDI e os rendimentos obtidos são isentos da cobrança de Imposto de Renda.
  • CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio): também são títulos de renda fixa emitidos por instituições financeiras e lastreados em operações de crédito, porém diferentemente dos LCAs eles não financiam empréstimos, os CRAs servem para que produtores e demais credores consigam antecipar os seus recebimentos. E é isento da cobrança de IR e de IOF.
  • FIDCs (Fundos de Investimento em Direito Creditório ) e FIPs (Fundos de Investimentos em Participações): são instrumentos financeiros também conhecidos como Cédula do Produto Rural em formato de títulos emitidos pelos produtores e representam uma promessa futura de entrega do produto agropecuário.

A relevância do agro é tão grande no mercado que a B3 (Bolsa de Valores Oficial do Brasil) lançou no dia 16 de maio o seu primeiro índice voltado para o setor, o IAGRO (Índice Agro Free Float Setorial) que tem como finalidade acompanhar o desempenho de empresas que impactam direta e indiretamente o setor.

No entanto, o IAGRO assim como outros índices existentes não é passível de investimentos, sendo assim investidores que desejam diversificar suas carteiras ou se exporem a mais riscos também tem diversas opções no agronegócio, além de Ações de empresas do setor existem os ETF (Exchange-Traded Fund), os FIIs (Fundos Imobiliários) e o Fiagros. E, como funciona?

  • Fiagros (Fundos de Investimentos das Cadeias Agroindustriais): é um fundo de investimentos cuja captação de recursos é realizada pela venda de cotas gerido pelo administrador do fundo cujo objetivo é a aplicação em ativos de investimentos do agronegócio sejam eles relacionados a produção ou de natureza imobiliária rural. Os rendimentos obtidos por meio desse investimento são isentos da cobrança de imposto de renda, porém é preciso estar atento a taxas cobradas pela administração IOF e outras.
  • ETF (Exchange-Traded Fund): são fundos de investimentos que replicam carteiras recomendadas em índices, como é o caso do primeiro ETF agro, o AGRI11, que está sob a gestão do BB DTVM e é composto pelas mesmas 32 empresas listados no IAGRO. Além da cobrança de imposto de renda sobre os rendimentos há ainda cobranças adicionais como taxa de corretagem e outras, na aplicação desse investimento.
  • FIIs (Fundos Imobiliários): são fundos focados em terras agrícolas, armazenagem de grãos e locação para supermercados entre outras finalidades. No mercado já existem vários fundos focados no mercado agro, com alocações de investimentos diversas. Assim como os ETFs é preciso estar atento a cobrança de IR sobre os rendimentos e taxas de corretamente, administração do fundo e outras.

Lembramos que as informações acima não são recomendações de investimento, apenas breves explicações de como o agronegócio está presente também nesse mundo.

Conheciam todas essas modalidades de aplicações? Já investem em produtos relacionados ao Agro?