× ENTRAR CADASTRE-SE

Evelyn Gomes  

Dezembro de 2022 tem sido um mês atípico com Copa do Mundo, porém em geral é um mês de festas, reuniões familiares, férias ou no mínimo alguns dias de descanso, não é mesmo? Por isso, o assunto de hoje não poderia estar relacionado a outra coisa senão o turismo que sim tem tudo a ver com o agronegócio.

E, afinal o que é o agroturismo? É uma das modalidades do turismo na qual os viajantes conhecem propriedades voltadas a agricultura familiar geralmente naquelas em que as culturas são destinadas ao consumo próprio. Esse tipo de atividade é ótimo para quem deseja escapar da vida agitada da cidade a ainda entreter crianças e adolescentes mostrando a rotina do campo através da busca pelo desenvolvimento sustentável e o contato com a natureza.

Se esse escapismo é bom para o turista, ele é melhor ainda para o produtor rural e para a região em que esses tours são realizados porque além do intercambio cultural promovido que evita o empobrecimento social e o econômico além de ajudar a manter os conhecimentos, cultura e tradições locais. Essa interação permite também que turistas descubram mais acerca dos processos produtivos dos alimentos e das criações agropecuárias o que pode gerar uma valorização maior por parte deles em torno aos produtos.

E, qual é a diferença de turismo rural e agroturismo? Na prática o agroturismo é uma modalidade englobada pelo turismo rural já que ele por sua vez consiste em qualquer atividade turística realizada em ambiente rural. O Brasil possui várias cidades aptas a essas atividades entre elas a capital do Agroturismo localizada no estado do Espírito Santo, a cidade conhecida como Venda Nova do Imigrante.

Os estados de Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo também tem destinos ótimos para se aproveitar como Encantos do Quiriri, Casimiro de Abreu e Parelhereiros respectivamente. Para quem quer aproveitar as regiões norte e nordeste há opções paraenses como é o caso das Ilhas do Marajó e a Chapada Diamantina na Bahia.

Essa é oportunidade de negócio para as mais de 5 milhões de propriedades rurais de agricultura familiar que representam 84% do total de terras destinadas ao agro no país. No entanto, esse tipo de turismo pode beneficiar ranchos, chácaras, sítios e fazendas que não produzem produtos agropecuários fazendo com que eles se tornem rentáveis apesar de apenas 32,8% de todas as propriedades envolvidas com o turismo rural tem ela como atividade principal de acordo com o Sebrae.

Apesar das raras agências especializadas, a procura por esse tipo de serviço tem sido cada vez maior e que foi expandido durante o período de pandemia e foi refletido no faturamento das propriedades e que atualmente apresenta um crescimento de 6% ano segundo pesquisa Instituto do Desenvolvimento Rural e Equestre (IDESTUR).

Esse número pretende ser ampliado já que o Projeto de Lei 5167/19 aprovado na pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados e tramita em caráter conclusivo na Casa Legislativa prevê que pessoas físicas poderão emitir notas fiscais dos seus serviços o que promete desburocratizar o setor.

Já fizeram alguma atividade relacionada ao Agroturismo? Contem para a gente como foi a experiência.