× LOGIN SIGN UP

Por Evelyn Gomes

Hoje, 02 de junho, iniciamos um conteúdo especial que irá ao ar aqui no blog todas às quintas-feiras. O #AGROPORESTADO é uma iniciativa da CBC que tem como objetivo mostrar os aspectos mais importantes de cada estado do nosso país dentro do agronegócio para que você possa estar munido de todas as informações para negociar mais e melhor dentro da nossa plataforma.

O primeiro estado desse especial é o Mato Grosso, estado que é considerado celeiro do país por deter 17% da produção agrícola nacional, é também o maior produtor de soja, milho, algodão e bovino, commodities essas que juntas foram responsáveis por 93,5% do valor bruto arrecadado no estado superando a cifra de R$ 180 bilhões de reais.

Não é à toa que o levantamento do MAPA (Ministério da Agricultura e Pecuária) aponta que 35 das 100 cidades mais ricas do agronegócio estão no Mato Grosso. Inclusive, o município que lidera essa lista é Sorriso, localizado no médio-norte mato-grossense, produziu R$ 5,3 bilhões dos R$ 470 bilhões comercializados pelo Brasil em 2020 de acordo com o Mapa.

A cidade de Sapezal ocupa a terceira colocação contabilizando a cifra de R$ 4,70 bilhões produzidos, em seguida aparece Campo Novo do Parecis responsável por R$ 3,7 bilhões. Nova Ubiratã alcançou a sexta posição do ranking acumulando R$ 3,4 bilhões em comercialização enquanto o décimo colocado, Nova Mutum, movimentou R$ 3,2 bilhões.

Ainda participam dessa lista as cidades de Diamantino, Campo Verde, Primavera do Leste, Lucas do Rio Verde, Querência, Campos de Julio, Ipiranga do Norte, Brasnorte, Porto dos Gaúchos, Tapurah, Paranatinga, Canarana, São Félix do Araguaia, Santa Rita do Trivelato, Itiquira e Sinop que estão posicionadas entre o 11º lugar e o 50º e juntas somaram R$ 26 bilhões em produção.

Números como esses só reforçam que o estado experimenta um crescimento pujante, dados do Governo Federal indicam que o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VPB) cresceu 69% em apenas 4 anos fechando 2021 R$ 193 bilhões. E, para que essas produções sejam escoadas corretamente são necessários maiores investimentos em logística, entre os projetos em andamento está a construção de uma ferrovia que conectará de Rondonópolis a Cuiabá, além de Rondonópolis a Nova Mutum e Lucas do Rio Verde.

O contrato foi assinado em setembro de 2021 pelo então governador Mauro Mendes e as obras têm início previsto para o segundo semestre desse ano, o custeio dessas obras parte da iniciativa privada que desembolsará mais de R$ 11,2 bilhões, esse trecho é apenas uma parte dos 730 quilômetros que ligará o polo produtivo do Mato Grosso ao Porto de Santos (SP).

Infraestrutura em transporte não é a única dificuldade que os produtores enfrentam, existem problemas relacionados ao fornecimento de energia elétrica como os enfrentados pela cidade de Alto Araguaia onde centenas de propriedades rurais não tem acesso a esse serviço. Já os produtores que felizmente contam com energia elétrica reclamam dos valores altos cobrados na distribuição, 419,20 (R$/MWh) em Mato Grosso enquanto a média nacional é de 350 (R$/MWh).

Contudo, esses problemas não parecem capazes de frear a expansão do agro no Mato Grosso a partir da inovação em tecnologia e digitalização. De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), 86% dos produtores rurais têm acesso a internet dentro das fazendas ainda que em quase 90% delas a conectividade esteja restrita apenas a sede.

Apesar do desafio em levar a conectividade para a lavoura e tornar o processo produtivo ainda mais eficiente, os benefícios do uso da internet já são sentidos pelos produtores que responderam a pesquisa, 22% deles acreditam que o acesso à internet retém funcionários, 18% conseguem controlar melhor seus estoques, 17% utilizam da conexão para monitorar as operações agrícolas, 16% realizam compras online, 14% monitoram o clima e 13% fazem uso da internet para segurança na fazenda.

Enquanto isso, 61% dos produtores entrevistados afirmaram fazerem uso de aplicativos ou softwares direcionados a gestão da propriedade, previsão do tempo e controle de pragas e doenças. Porém apenas 35% deles fazem compras de insumos por plataformas digitais, quando falamos em venda de produtos a porcentagem cai para 23%.

E, é para facilitar esse processo de negociação entre as partes que CBC Agronegócios tem uma plataforma completa que te permite encontrar, negociar e fechar o negócio de forma totalmente digital e sem custo. Além de você economizar tempo no processo ainda consegue concentrar todas as informações em apenas um lugar com segurança e privacidade.

Gostaram de saber mais sobre o Mato Grosso? Qual o próximo estado a gente pode trazer para o especial?