× ENTRAR CADASTRE-SE

Por Evelyn Gomes

O solo é uma das matérias primas principais de toda a cadeia do agronegócio, sem ele é impossível a realização de qualquer plantio independente da cultura, já falamos por aqui sobre os diferentes tipos de solo e quais estão presentes em cada parte do país. Determinar a qualidade do solo é essencial, pois existe uma multiplicidade de fatores químicos, físicos e biológicos que impactam inclusive na escolha de outros suprimentos como os fertilizantes e a necessidade de medidas corretivas como a calagem.

É o que destaca o agrônomo Felipe Bardella: “Em relação ao tema podemos destacar dois importantes aspectos relacionados a solos. O primeiro está vinculado as características dos solos e das culturas que serão implantadas no local. Existem determinadas características físicas, químicas e biológicas do solo que favorecem ou desfavorecem o desenvolvimento adequado de determinadas culturas além de influenciar diretamente no cálculo de adubação e calagem.  Um bom exemplo é determinar a quantidade da adubação e em quantas parcelas esta adubação deverá ser feita para solos diferentes entre si. No caso de solos arenosos, mais suscetíveis a lixiviação, geralmente o indicado é aumentar o número de parcelas da adubação”.

Apesar da difícil tarefa que é quantificar a qualidade de um solo, é a partir dela que podemos exercer uma produção sustentável de alimentos e fibras trazendo equilíbrio para todo o ecossistema, em um cenário cuja produção mundial de alimentos aumenta anualmente e 40% dos solos existentes no planeta estão degradados, isso sem contar os benefícios econômicos que vão desde a economia com provisionamentos, aumento da produtividade e eficiência na utilização de água.

Além da experiência do produtor, são necessárias a realização de amostragens a serem nas propriedades por laboratórios especializados para que sejam elaborados os IQS (Índices de Qualidade de Solo) que tem os métodos de abordagem:

  • A seleção: como o nome indica, é a escolha de um conjunto mínimo de propriedades entre físicas, químicas e biológicas que serão destinadas para serem os indicadores de qualidade daquele solo.
  • Sistema de Pontuação: de acordo com a etapa anterior, é estabelecido um sistema de pontuação para que seja possível a interpretação de dados através de uma escala comum.
  • Combinação das Pontuações: A combinação dos indicadores recebidos pelo sistema de pontuação tornará possível a criação de índices.

Esses mecanismos de definição e monitoramento da qualidade do solo e dos cálculos de IQS ainda precisam passar pelas seguintes adaptações como quais são as propriedades que devem fazer parte da seleção, quais serão os modelos de referência utilizados para o sistema de pontuação de cada cultura fazendo com que a combinação de pontuações juntamente com a inclusão de elementos econômicos relacionados a produtividade desses cultivos sejam levados em consideração na agregação de valor de seus produtos comprovando as boas práticas de manejo, a preocupação com o meio ambiente e a qualidade dos produtos que impactam diretamente nos processos de negociação.

Felipe ainda acrescenta outra importância relacionada a análise que é o pagamento de seguros, ” Grandes culturas como Soja e milho podem ser seguradas. Em caso de danos ambientais (ex: seca, geada, granizo, etc…) o produtor poderá ser indenizado caso tenha sinistrado a área. Devemos lembrar que para isso acontecer a cultura deverá obedecer a alguns parâmetros exigidos pela seguradora, entre elas o plantio da cultura ter acontecido dentro do ZARC (Zoneamento Agrícola de Risco Climático). Nesse ponto temos a importância do solo, que é um fator importante na determinação se o plantio foi executado dentro ou não do ZARC. Solos diferentes alteram a amplitude de plantio destas culturas, sendo que solos argilosos aumentam a amplitude, enquanto solos Arenosos diminuem a amplitude da época de plantio. O que isso significa? Que produtores do mesmo município, com solos diferentes, com a mesma data de plantio podem ter resultados diferentes na indenização, enquanto um recebe o deferimento e a indenização merecida, o outro, geralmente com solo tendendo ao arenoso recebe o indeferimento e não tem direito a indenização”.

O Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) recomenda que sejam utilizados os laboratórios participantes Programa de Análise de Qualidade de Laboratórios de Fertilidade (PAQLF) e para facilitar a definição dos modelos a Universidade Federal de Viçosa desenvolveu o software SIMOQS (Sistema de Monitoramento da Qualidade do Solo).

E para quem deseja manter ou aumentar a qualidade do seu solo é preciso estar atento a fatores como a retenção de nutrientes indicada pela CTC (Capacidade de Troca Catiônica) que em solos tropicais tem sua matriz terrivelmente baixa necessitando do aumento de matéria orgânica no solo, a rotação de culturas que é o processo ideal para isso já que ainda deixa a terra palhada diminuindo assim os impactos de máquinas de semeio ou adubação além de auxiliar a redução de temperatura e a manutenção da umidade no solo.

Sabiam como funcionava a Qualificação do Solo? Como vocês monitoram o IQS?

Contem para a gente as experiências de vocês!