× ENTRAR CADASTRE-SE

Estoque alto vai pressionar preço do Feijão durante todo o ano

Os preços do feijão estão em queda desde o começo do ano. Analistas de mercado afirmam que os valores atuais não cobrem o custo de produção e que o alto estoque de passagem deve desvalorizar ainda mais o grão ao longo do ano. O que é bom para o consumidor, mas obviamente muito ruim para o produtor.

Um levantamento recente da consultoria especializada Unifeijão mostra que, no primeiro trimestre de 2018, o preço do feijão-carioca extra, variedade mais consumida no país, caiu 28% em relação ao mesmo período de 2017. A saca de 60 kg quilos é vendida hoje a R$ 120. Já o preço do feijão-preto caiu 20%, sendo comercializado, em média, a R$ 140 a saca.

A analista Sandra Hetzel, da Unifeijão, afirma que o cenário não deve ser alterado em breve. “O que é muito ruim para o agricultor, principalmente para quem irriga”, diz. No Brasil, são cultivadas três safras de feijão por ano. A primeira delas, que já foi colhida, deve somar um 1,25 milhão de toneladas, produção 8% menor que a do ciclo anterior. O Sul do país foi uma das regiões com maior redução no volume, de cerca de 10%. Além da queda no rendimento das lavouras, os produtores também precisam lidar com a baixa qualidade dos grãos, reflexo do excesso de chuvas.

“Tem feijão lá até a R$ 70 (a saca), um feijão de baixa qualidade que sofreu com a chuva na colheita. Hoje, para levar esse produto até a região Nordeste está difícil, porque lá ainda tem um pouco de feijão e também a safra está indo bem e está chovendo, um cenário que ninguém esperava”, afirma a analista.

Para a segunda e terceira safras de feijão, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta produção de 2,1 milhões de toneladas, volume parecido com o registrado nos ciclos anteriores. Já a produção brasileira total de feijão entre 2017 e 2018 está estimada em 3,3 milhões de toneladas.

Com oferta e demanda equilibradas, o que deve pressionar os preços ao longo do ano é o alto estoque de passagem. Ana Victória Monteiro. pesquisadora do Instituto de Economia Agropecuária (IEA), lembra que os levantamentos indicam uma reserva de cerca de 4 milhões de sacas. Esse volume seria capaz de atender o consumo até abril, quando começa a ser colhida a nova safra. “Se tiver aumento de consumo, (por) uma melhoria do nível de vida da população, aí você pode ter uma pressão maior (nos preços), mas não é o caso”, diz.

Sandra Hetzel, da Unifeijão, afirma que o agricultor precisa ficar atento aos custos de produção, já que o preços do grão não devem passar de R$ 150 a saca ao longo do ano. Ela acredita que, com a entrada da nova safra, será difícil mudar o cenário do mercado. “Se ela vier positiva, vai ser muito difícil até para o agricultor que irrigar feijão (vender) nessa faixa de R$ 120 até R$ 150, muito difícil”.

Através da CBC Agronegócios você pode se conectar com milhares de empresas para comprar ou vender seus insumos agrícolas. Basta se cadastrar, colocar sua oferta ou negociar com outras partes. Clique aqui para se cadastrar

Já é cadastrado, crie seu hábito produtivo. Insira indicações e acompanhe mercado.

Conteúdo produzido pelo Canal Rural